Qual é a sua responsabilidade?

| Legal saber |

 

Não sou nenhuma ativista, mas entender que é responsabilidade de cada pessoa contribuir para o bem estar da sociedade, do meio ambiente e do planeta está no meu DNA. Sempre que posso abordo e pratico temas como consumo consciente, sustentabilidade, desperdício… sinto que a grande maioria da população ainda não se ligou, mas com a repetição acredito que um dia a ficha caia.

 

O mundo vive uma crise geral – ambiental, econômica, política e de valores. E a moda vem respondendo a isso. Sai de cena o consumo pelo consumo para entrar em foco o consumo consciente. O que causa desejo agora, além do design, é o que está por trás das peças. Marcas que visam não só o lucro mas adotam processos de criação que se preocupam com o impacto que podem gerar na sociedade têm sido valorizadas.

 

Como nesta matéria do site da Revista Estilo, a industria da moda que é a segunda em tamanho, começa a entender e a fazer a sua parte adotando processos de criação que se preocupam com o impacto que podem ter na sociedade (criações biodegradáveis e feitas com algodão certificado), o crescente uso do upcycling (técnica de criar baseando-se em materiais já existentes), fábricas que usam energia eólica, roupas feitas em parceria com comunidades locais para movimentar a economia local,  matérias-primas sustentáveisrenovação de peças vintage e criação de novas com reúso de tecidos, entre outras.

 

Não dá pra deixar de destacar os números:

O mundo consome 400% mais roupas do que 20 anos atrás
*dado divulgado no documentário The True Cost (2015)

175 mil toneladas de tecido são descartadas por ano no Brasil.

85% desse descarte não é reaproveitado e vai parar em aterros sanitários.
*Dados divulgados pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e pela SindiTêxtil-SP em 2012.

 

E neste contexto todos podemos contribuir, revendo nossos hábitos. Coisas simples como:

  • Quantas vezes usa cada peça de roupa? Diminuir a frequência de lavagem reduz o consumo de água, energia, geração de esgoto e reduz o desgaste da peça. No post #1lookporumasemana falamos a este respeito.
  • Você cuida bem das suas roupas e calçados? O uso e uma boa manutenção aumenta o tempo de vida de cada peça e a costureira pode ajudar para fazer aquele ajuste ou dar um novo uso ao modelo que estamos enjoados.
  • De quanto em quanto tempo você revê o seu guarda-roupas? Peças muito tempo paradas e sem uso estragam. A “moda” passa, seu gosto muda, seu corpo muda e não vai querer mais usar.  Este tempo perdido tempo prejudica a venda, a troca e engrossa o volume de peças descartadas que não são reaproveitadas.
  • Você já pensou em adquirir uma peça de segunda mão? Esta peça já foi produzida, os recursos já foram gastos,  e o melhor ela já vem “amaciada”. Custo benefício melhor não há. Aliás um bom exemplo é a calça jeans, você tem noção da quantidade de água que se usa para produzir uma calça jeans, dá uma olhadinha neste post.

 

Com a Consultoria de Imagem eu continuo a minha “pregação” e sinceramente, espero, que a mensagem que parece uma mudança muito árdua de fazer, sensibilize os que são pais e mães, para que insiram seus filhos numa “cultura” diferente, desde aprender a valorizar o que se tem, a ter criatividade pra usar os modelitos de muitos jeitos até acabar ou não servir mais e principalmente que é mais importante SER do que TER.

 

Isso tudo não é uma coisa nova, desde “1970, na Conferência de Estocolmo, com mais clareza sobre os impactos causados pelo consumo excessivo, a ONU passou a promover eventos, tratados e conferências que tinham como foco produzir normas, regulamentos e acordos para a produção e comércio de bens de consumo com o mínimo de impacto nas diversas dimensões do que classificamos como meio ambiente”.

 

Segundo a matéria do Diário dos Campos, “previsões bastante otimistas estimaram um colapso global em aproximadamente cem anos. Alguns ambientalistas defendem que, no ritmo de consumo atual, o prazo cai para  trinta anos e, outros mais radicais, dizem que a terra já encontrou seu limite produtivo. Pouco importa qual previsão é correta, o fato é, se não repensarmos nosso modelo exploratório e consumistas, o colapso da raça humana não tardará.

 

E você, ainda acha que não tem nenhuma responsabilidade?

Facebookpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *