Bom dia, tem usado?

| Comportamento |

Não há roupa que “segure” a imagem de uma pessoa que não tem postura e sabe se comportar. Como falei no post Formal, informal, social, casual… dentro das normas de etiqueta estão as formas de vestir e de se comportar. Uma não elimina a outra, se complementam. Acho que este será o parágrafo “mantra” desta categoria.

 

E hoje o foco é a palavra mais mágica de todas ou uma das: Bom Dia. Na verdade é uma expressão, necessária para a vida. Duvido que você não “julga” uma pessoa que não dá ou não responde seu bom dia!! Eu super julgo pessoas, incluindo crianças a partir de 3 anos e meio.

 

Tem gente que economiza e guarda essa expressão para uso pessoal, mas posso afirmar que no ambiente profissional é item de primeira necessidade.

 

As vezes pensamos que algumas coisas são óbvias mas depois que li este artigo lembrei que não são.

 

O bom dia gera várias sensações, ele reconhece, equipara, aproxima, gera simpatia, dá segurança e até aconchega dependendo da sensibilidade e do momento do outro. A emissão pode até ser mecânica, mas a recepção com certeza não. Ah, e não basta dizer, tem que responder também. As vezes estamos distraídos, em “outro mundo”, alguém fala bom dia (boa tarde, boa noite) e ficamos mudos. Preste atenção, leia os lábios, desça à terra e respondaaaaa!!

 

Você conhece alguém que precisaria receber este post? Manda? Sugestões, escreve aqui ou mande querosaber@falecomfulvia.com.br.

 

Facebookpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *